Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Adivinha!

Adivinha sobre o que vou falar hoje? Um sitio onde posso falar de tudo o que me apetece...

Adivinha sobre o que vou falar hoje? Um sitio onde posso falar de tudo o que me apetece...

Adivinha!

30
Jun05

Sabes sinto necessidade de ser livre. Quero ser livre! Quero poder correr atrás dos meus sonhos. Quero sempre saber mais... Quro continuar a evoluir, às vezes penso que me menosprezo, pois qualquer incompetente aceita um cargo de chefia ou quer ser líder, eu tenho sempre medo de não estar à altura de uma banal tarefa. Tenho medo, mas gostava de melhorar, gostava de continuar a evoluir. Às vezes sinto-me presa....
Tenho necessidade de fugir.....
26
Jun05
Ouvem-se passos no Outono do sítio onde reside o silêncio.
Esse sítio povoado de pedras frias que guardam segredos de uma vida.
Lágrimas, sofrimentos, perdas e dor tudo se esconde por detrás do silêncio das pedras frias. Essas pedras marcam uma história de pessoas que para fugirem à morte saíram do seu país, tentaram reconstruir a sua vida noutro sítio mas a ideia de voltarem à sua querida pátria era eminente.
Muitas perderam a vida porque não queriam e muitas vezes não podiam deixar a terra que ao viu nascer.
Os que deixaram e sobreviveram aquele louco extermínio, descansam hoje naquele sítio onde reside o silêncio. Por debaixo daquelas pedras estão homens e mulheres que enfrentaram o medo, a saudade e refizeram as suas vidas num país longínquo.
Acredito ao passar por aquelas pedras que por debaixo delas apenas se encontre o corpo, pois a alma, essa está na pátria donde nunca saiu.
Aquelas pedras frias ficarão ali para sempre marcando uma história e fazendo-nos recordar o Horror que outros e aqueles viveram.
Sempre que ouvirmos os passos no Outono daquele sítio onde reside o silêncio, iremos recordar de Sob os céus Estranhos uma história de vida.
16
Jun05
Existem coisas que não se dizem....
Sentem-se....
Sentir é um exercício solitário...
Ninguém pode saber o que sentimos sem lhes comunicarmos.
Sinto que a minha vida mudou....
Sinto que por um lado queria que estivesse tudo na mesma,
Mas por outro sinto que tinha de haver esta mudança.
Sei que em breve a minha vida vai ter de mudar obrigatoriamente.
Talvez seja a lei da vida....
Depois de muitos tempos encobertos....
Agora finalmente o sol brilha na minha vida.
Talvez tenha perdido os medos...
Sei que mais cedo ou mais tarde vão aparecer umas nuvens, mas agora estou confiante que o sol brilha.
Quando me levanto e vejo sol,
Sinto que tudo é possível.
Que a vida faz sentido mesmo que não se dê por isso.
O sol brilha, os pássaros cantam, sente-se o calor da terra, tudo emana vida.
As formigas continuam atarefadas e nós também....
Tenho saudades daquele tempo em que me sentava no parapeito da janela e passava horas a olhar o castelo.
A ver a correria das pessoas...
Hoje e aqui tudo é tão tranquilo quase que se consegue apalpar o silêncio...
O azul do céu confunde-se com o mar de água doce que se envolve por entre os verde dos campos.
O sol realça o dourado dos pastos...
A terra abre os seus poros para receber a pouco humidade que existe no ar....
Os insectos fazem os seus endoidecidos voos alheios ao que os rodeia....
E nós?
Nós passamos ao lado de tudo isto, demasiados preocupados com o nosso umbigo.
Obrigado por compartilhares este lado da minha vida comigo.
11
Jun05
Ela chegou a casa já de noite, trazia a pasta e as compras numa mão e na outra a cadeirinha do bebé. Mais uma vez ia ficar arrumada num canto por uns tempos.
Começava de novo a correria casa-hospital, hospital-casa. O bebé tinha de ficar outra vez hospitalizado, desde o início da sua pequena vida que passa grandes temporadas lá.
Ela continua a tentar trabalhar fora de casa, mas quando arranja um novo contrato e tudo parece estar a endireitar-se, o bebé piora.
O pai do bebé, seu amado marido mal os pode acompanhar, precisa de trabalhar para sustentar a casa.
Estão juntos mas nunca se vêem há tanto tempo que eles não se abraçam, que não se beijam.
Nesta época em que somos bombardeados com o culto do corpo, é estranho olhar para eles e saber que não têm tempo para se amarem.
Ele trabalha noite e dia. Ela passa os dias no hospital, só vem a casa deixar algumas compras que faz numa correria, toma um banho e volta para a cabeceira do filho, e só o pode fazer enquanto ele está junto do bebé.
Quando chegou perto da porta pensou como queria que ele estivesse ali e que estivesse bem.
Colocou as coisas no chão e abriu a porta, sentiu o cheiro a casa fechada, aquela já não era a sua cãs nem o seu cheiro já tinha. Acendeu as luzes da cozinha…
Ele nem tinha tido tempo para acabar de comer, ela passou a mão pelas costas da cadeira, como podia ter-lhes acontecido algo tão drástico?
Decoraram a casa a pensar nos futuros filhos. Era o sonho deles, ter filhos, imaginaram e adaptaram a casa aos futuros filhos sonharam com os seus passinhos pela casa. Os fins-de-semana em família…As crianças a brincarem no quintal…
E na realidade tudo estava vazio. A casa deserta…
Eles sonharam tanta coisa juntos, construíram tantos castelos no ar, esforçaram-se para realizar os sonhos, depois apareceu aquela maldita doença que quase lhes rouba o filho e os fez mudar de vida.
Já não vivem para eles, nem tempo tiveram para ter aquelas crises conjugais do pós-parto. Mal se vêem desde aquele dia em que ele foi chamado a meio da noite. Largou o trabalho a correr para o hospital quando lá chegou ela já estava na sala de partos.
Foi a tortura na sala de espera acendeu um e outro cigarro, tinha deixado de fumar antes de ambos decidirem ter um filho, tinham feito de tudo para que a criança não viesse a sofrer com os erros deles.


O médico chegou com uma cara demasiado fechada levou-o para o consultório e disse-lhe o que se passava, afinal o seu bebé não era saudável e tinha de ficar internado, naquele momento ele pensou que estava a viver um pesadelo e que ia acabar, mas naquele instante não lhe passava pela cabeça o tamanho do pesadelo que teria ainda pela frente.
Passado este tempo todo, ouvem-se os comentários dos vizinhos e amigos: “Era melhor que o bebé morresse, aquilo nem é vida para o bebé nem para os pais.”
Ela tomou o seu banho, meteu alguns produtos de higiene pessoal dentro da mala de mão e saiu, estava na hora de voltar para o hospital. Quando já vinha a descer as escadas, ouviu o telefone, correu de novo para casa. Quando levantou o auscultador …Ouviu-o sussurrar “perdemo-lo”. Depois fez-se um grande silêncio!
As lágrimas correram pela face de ambos, mais uma vez não se puderam abraçar num momento tão difícil. Tiveram de suportar cada um a sua dor e enfrentar o choque isoladamente.

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2003
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.